sábado, 24 de março de 2018

Deus - atributos - dinâmicas


Atributos de DEUS

INTRODUÇÃO – ETERNIDADE DE DEUS

Na questão 13, de O Livro dos Espíritos, nos comentários de Allan Kardec, vamos ler o seguinte:
"Deus é eterno. Se tivesse tido princípio, teria saído do nada, ou, então, também teria sido criado, por um ser anterior. É assim que, de degrau a degrau, remontamos ao infinito e à eternidade."
Ou seja, Eterno é o que não tem começo e nem fim. Deus é eterno, pois não foi criado e não tem fim. O Espírito não é eterno, ou seja, tem um começo (foi criado por Deus), mas não tem fim.

Dinâmica: Desenrole um barbante. Una as extremidades e arrebente-o em outras partes, unindo cada parte novamente, fazendo vários nós (emendas). Espalhe todo o emaranhado de barbante pela sala e solicite às crianças que encontrem o começo e o fim do barbante que estará no chão. Diga às crianças que o começo e fim estão marcados com um pequeno nó (diga isso para que a criança não arrebente o barbante para dizer que achou).
Permita que as crianças fiquem alguns minutos procurando, até que elas percebam que o barbante não possui começo nem fim.
Então, elas procuraram, procuraram, procuraram...
Em seguida, introduza o tema da evangelização.
Com a dinâmica, as crianças perceberão de forma lúdica o conceito de eternidade.
Conversar um pouco com as crianças sobre quais atributos elas conhecem de Deus.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Atividade 02 – Encontrando as Criações de DEUS

Dinâmica: Em uma sala, espalhe imagens ou brinquedos que se referem a criações de Deus e do Homem. Por exemplo: fotos de cachorros, pássaros, plantas, minerais, e também de carros, navios, foguetes, casa, prédios.
As crianças serão divididas em dois grupos: A e B. Será uma atividade de colaboração, então os dois grupos deverão se auxiliar mutuamente. Estará tocando uma música, e quando a música parar, a criança que estiver com a bola, deve arremessa-la e acertar o desenho com a imagem que representa uma criação de Deus. Feito isso, deve passar a bola para alguém do outro grupo. A brincadeira se repete até que todas tenham participado. Cada alvo acertado será retirado da brincadeira.
Vale lembrar que a criança deverá atirar a partir do lugar em que se encontra!
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mulher - Respeito e Igualdade





















Mulher, respeito e igualdade.

Incentivo Inicial:

Todos sentados no chão. Fazer um relaxamento com uma música suave.
Em seguida, fazermos apresentações, pois algumas crianças mal sabem os nomes dos amigos.
Após, a Evangelizadora começará a aula, relembrando que na última semana foi comemorado o Dia Internacional da Mulher. Perguntar às crianças se elas sabem o porquê desta comemoração.
Talvez algumas relatem, mas é quase certo que a maioria não saiba.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Existem 2 versões para o incêndio que deu origem ao Dia Internacional da Mulher:

·         A primeira é que:

A mais conhecida diz que, em 1911, cerca de 600 mulheres e homens trabalhavam na fábrica têxtil Triangle Shirtwaist Company quando as chamas começaram. Naquela época, os trabalhadores eram trancados nas fábricas e os relógios eram cobertos, para não terem noção de quanto tempo haviam trabalhado. As péssimas condições, com vários retalhos de tecidos espalhados pelo chão do lugar, ajudaram o fogo a se espalhar rapidamente, matando 125 mulheres, de 13 a 23 anos, e mais 21 homens, enquanto trabalhavam.
O episódio causou comoção nacional e, no dia do funeral, 100 mil pessoas compareceram ao local. O terreno em que funcionava a fábrica hoje é a Universidade de Nova York.

·         A segunda é:

Um incêndio aconteceu em 8 de março de 1857 e que teria sido proposital. O objetivo era o de matar 130 trabalhadoras têxtis que faziam greve e pediam diminuição da carga horária, que naquela época era de até 14 horas diárias, de segunda-feira a sábado, chegando a incluir alguns domingos de manhã, sendo comum também os filhos das operárias, ainda crianças, comporem os quadros de empregados das indústrias, pois o trabalho infantil não era proibido e creches não eram um direito das mães trabalhadoras. Também pediam que seus salários fossem equiparados aos dos homens, que ganhavam 3 vezes mais.


Conteúdo:

·         No final do século XIX e início do século XX, nos Estados Unidos e na Europa, havia lutas femininas por melhores condições de vida e trabalho, e pelo direito de voto.
·         A criação do Dia Internacional da Mulher deu-se no início do século XX, no contexto da Segunda Revolução Industrial e da Primeira Guerra Mundial, quando ocorreu a incorporação em massa da mão-de-obra feminina ao operariado.
·         No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado durante as décadas de 1910 e 1920. Posteriormente, a data caiu no esquecimento e só foi recuperada pelo movimento feminista, já na década de 1960.
·         Na atualidade, porém, considera-se que a celebração do Dia Internacional da Mulher tem o seu sentido original parcialmente diluído, adquirindo frequentemente um caráter festivo e comercial, como o hábito de empregadores de distribuir rosas vermelhas ou pequenos mimos entre as suas empregadas, ação esta que não evoca o espírito das operárias grevistas. (Tanto é que a maioria das crianças não sabe o motivo real da comemoração).
·         O dia 24 de fevereiro foi um marco na história da mulher brasileira. No código eleitoral Provisório (Decreto 21076), de 24 de fevereiro de 1932, durante o governo de Getúlio Vargas, o voto feminino no Brasil foi assegurado, após intensa campanha nacional pelo direito das mulheres ao voto.
·          “Com a Doutrina Espírita, a igualdade da mulher não é mais uma simples teoria especulativa; não é mais uma concessão da força à fraqueza, mas é um direito alicerçado nas próprias leis da Natureza. Dando a conhecer estas leis, o Espiritismo abre a era da emancipação legal da mulher, assim como abre da igualdade e da fraternidade.” Allan Kardec.
·         L. E. - 817. 0 homem e a mulher são iguais perante Deus e têm os mesmos direitos?
o   R.:   — Deus não deu a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir?
·         L. E. - 818.  De onde procede a inferioridade moral da mulher em certas regiões?
o    — Do domínio injusto e cruel que o homem exerceu sobre ela. Uma consequência das instituições sociais e do abuso da força sobre a debilidade. Entre os homens pouco adiantados do ponto de vista moral a força é o direito.
·         L. E. - 819.  Com que fim a mulher é fisicamente mais fraca do que o homem?
o    — Para lhe assinalar funções particulares. O homem se destina aos trabalhos rudes, por ser mais forte; a mulher aos trabalhos suaves; e ambos a se ajudarem mutuamente nas provas de uma vida cheia de amarguras.
·         L. E. - 820.  A debilidade física da mulher não a coloca naturalmente na dependência do homem?
o    — Deus deu a força a uns para proteger o fraco e não para escravizá-lo.
§  Comentário de Kardec: Deus apropriou a organização de cada ser às funções que ele deve desempenhar. Deu-se menor força física à mulher, deu-lhe ao mesmo tempo maior sensibilidade, em relação com a delicadeza das funções maternais e a debilidade dos seres confiados aos seus cuidados.
·         L. E. - 821.  As funções a que a mulher foi destinada pela Natureza têm tanta importância quanto às conferidas ao homem?
o   — Sim. E até maior; é ela quem lhe dá as primeiras noções da vida.
·         L. E. - 822.  Os homens, sendo iguais perante a lei de Deus, devem sê-lo  igualmente perante a lei humana?
o   — Este é o primeiro princípio de justiça: “Não façais aos outros o que não quereis que os outros vos façam”.
·         L. E. - 822 – a) De acordo com isso, para uma legislação ser perfeitamente justa  deve consagrar a igualdade de direitos entre o homem e a mulher?
o   — De direitos, sim; de funções, não. É necessário que cada um. Tenha um lugar determinado; que o homem se ocupe de fora e a mulher do lar, cada um segundo a sua aptidão. A lei humana, para ser justa, deve consagrar a igualdade de direitos entre o homem e a mulher; todo privilégio concedido a um ou a outro é contrário à justiça. A emancipação da mulher segue o progresso da civilização, sua escravização marcha com a barbárie. Os sexos, aliás, só existem na organização física, pois os Espíritos podem tomar um e outro não havendo diferenças entre eles a esse respeito. Por conseguinte, devem gozar dos mesmos direitos.

Fixação:

Mostrar o quanto Jesus amou as mulheres em diversas situações:
·         A mulher adúltera:
o   Então, lhe trouxeram, os escribas e os fariseus, uma mulher que fora apanhada em adultério, e a puseram no meio, e lhe disseram: Mestre, esta mulher foi agora mesmo apanhada em adultério, Moisés, na lei, mandou apedrejar a estas tais. Qual é a vossa opinião sobre isto? Diziam, pois, isto, os judeus, tentando-o, para o poderem acusar.
            
Jesus, porém, abaixando-se, pôs-se a escrever com o dedo na terra. E como eles perseveram em fazer-lhe perguntas, ergueu-se Jesus e disse-lhe: Aquele dentre vós que estiver sem pecado, atire-lhe a primeira pedra.
E tornando a abaixar-se, escrevia na terra.
Mas eles, ouvindo-o, foram saindo um a um, sendo os mais velhos os primeiros.
            
E ficou só Jesus com a mulher, que estava no meio, em pé.
            
Então, erguendo-se, Jesus lhe disse: Mulher, onde estão os que te acusam? Ninguém te condenou?
            
Respondeu ela: Ninguém, Senhor. Então Jesus lhe disse: Eu tampouco te condenarei; vai e não peques mais.” (João VIII: 3 a 11)
·         A mulher Samaritana: João 4:5–29
o   Veio uma mulher de Samaria tirar água; disse-lhe Jesus: Dá-me de beber.
Disse-lhe, pois, a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana? (porque os judeus não se comunicam com os samaritanos).
Jesus respondeu, e disse-lhe: Se tu conhecesses o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber; tu lhe pedirias, e ele te daria água viva. Aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.
·         A mulher hemorroísa:
o   E certa mulher, que havia doze anos tinha um fluxo de sangue, e que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior, ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou na sua vestimenta. Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei. E logo se lhe secou a fonte do seu sangue, e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal. E logo Jesus, conhecendo que a virtude de si mesmo saíra, voltou-se para a multidão e disse: Quem tocou nas minhas vestes? (Mc 5: 25-30).
o


Atividade:

As crianças farão uma flor para ser entregue a uma mulher que é muito importante nas suas vidas.
Poderá ser de papel crepom ou origami.